"Meu Deus, me dá cinco anos. Me cura de ser grande!" (Adélia Prado)

29 março 2006

No silêncio do que não foi dito

Sempre soube, em teoria, que a força da palavra escrita é superior à palavra falada. Agora posso comprovar, na prática essa premissa. Esta história de escrever um blog tem me proporcionado boas surpresas. Uma delas é o fato de receber textos de amigos/as que colocam no papel as impressões e sentimentos em relação a mim. Sabe aquelas coisas que a gente só consegue dizer escrevendo? Pois é, foi assim com o texto do Wellington, do Fernando, da Sabrina e agora com este da Jaciara que apresento aqui em sua forma original.

No silêncio do que nunca foi dito


"Há dias me vejo às voltas pensando em fazer um texto para você. Sempre lhe disse que faria um, no dia do seu aniversário ou quando "euzinha" tivesse um blog. Mas hoje eu pensei que vai demorar muito para eu ter um blog e também para o seu aniversário.
Então, levando tudo isso em consideração, resolvi fazer o seu texto 'à mão' mesmo.
Bom, e para começar, até hoje me pergunto como a gente foi se tornando amigos, só me lembro que da minha parte, mais íntimos ficamos no dia em que fizemos nossas confissões sobre o filme "Brilho eterno de uma mente sem lembranças". Sei que daquele dia em diante nós passamos a compartilhar um assunto que para mim é muito caro.
Sei que temos uma porção de amigos em comum, mas quando estamos juntos sinto que nossa sintonia é tão fina que chegamos a despertar inveja naqueles/as que nos cercam e tentam desvendar que afinidade é essa.
Da minha parte, posso dizer que nossa afinidade está no silêncio do que não foi dito, nas músicas que trocamos, nos filmes e séries que vimos e nas palavras que ainda estão por vir.
E quando digo que estão por vir é que hoje eu tenho 30 anos e fico pensando na falta que você me fez nestes 28 anos em que eu ainda não te conhecia e não podia rir e chorar de muitos assunto caros para mim.
Espero que a gente possa conviver ainda por muitos e muitos anos...
De sua amiga,
Jaciara"