"Meu Deus, me dá cinco anos. Me cura de ser grande!" (Adélia Prado)

09 fevereiro 2006

Nuances eternas

O texto abaixo não é meu.
Mas fala de mim e mostra nas entrelinhas um sentimento intenso de uma amizade daquelas que vão além das distâncias, das restrições impostas por imprevistos e inconstâncias. O texto revela muitas de minhas nuances vistas pelos olhos de um amigo especial. Nele posso enxergar paralelos que mostram o quanto evoluímos nestes quase 7 anos de amizade pura e sincera. A sensibilidade velada me tocou a alma e por isso resolvi partilhar com todos/as.
Pra você, Fernando, não tenho muito a dizer. Que ironia não? Diante da beleza do seu texto, minhas palavras fogem enlouquecidas, pois não dão conta do recado. Não consigo dizer muito, só sentir.
O que sinto agora é que a eternidade que todos/as almejamos você já alcançou!

Obrigado por me ajudar a variar minha paleta de cores.

Senhoras e senhores!
Com vocês: Eu, por Fernando Lage:

"Senhor da camiseta cor-de rosa customizada

e tênis All Star"

"Lembro-me bem de como começou... Era um ensaio de uma peça teatral no início do ano de 1999. Fui chamado para ajudar no grupo, o qual precisava de muitas pessoas. Seria uma apresentação gigantesca. Na época, eu era uma pessoa muito difícil (não que deixei de sê-la). Sempre estava sozinho e o teatro foi uma valiosa forma de inserção a um grupo e conquistar novas amizades. Foi nesta ocasião que eu o conheci. Aquela pessoa que ficava sempre lá no canto, quase transparente, não cheirou, nem fedeu a princípio.

Com o passar do tempo ele se revelou, em suas atitudes, uma pessoa em nuances de bege e verde pálido: sempre articulado e organizado. Porém muito reservado. Era sempre um porto seguro que tudo sabia e tudo fazia nos bastidores. Boa pessoa para conversar. E o melhor: sempre me levava a sério. Eram muitas as afinidades. Gostávamos das mesmas coisas. Eis que descobri, certa vez que fui a sua casa e vi umas pastas com desenhos, que toda aquela palidez escondia uma profusão de cores, que vez em quanto era posta pra fora por meio de sua arte. De colegas a amigos, não sei como foi a evolução. Só sei que os laços naturalmente foram se estreitando. Papos intermináveis em sua casa. Risos, conversas, confidências. Um irmão mais velho que sempre me ajudou.
Alguém que permaneceu.
Hoje é tão legal ver o quanto nós mudamos e mesmo assim estamos firmes na amizade. Vejo-o hoje com cores mais berrantes. Sua arte explode em nuances de vermelho da paixão e da gula, laranja de seu senso pollyanna, amarelo do sol que ilumina sua criatividade, verde da possibilidade de um dia melhor, azul do mar de possibilidades possíveis, anil de frescor e vivacidade, da mistura da razão com a criatividade e o violeta de sua constante placidez e serenidade. Sua vida é mais bela. Vive cada dia. Hoje é um exemplo a ser seguido por mim. Ele é uma continuidade sem fim de círculos coloridos entrelaçados. Espero um dia que eu possa substituir um pouco de minha “quadradeza” e traços retos pela sensibilidade de seus contornos."

3 Comments:

Anonymous camilinha said...

olá arco-iris!!!
te coloriu direitinho!!!
beijinhos com baton vermelho-vivo

sábado, 11 fevereiro, 2006

 
Anonymous Naira said...

Essa imagem daria um lindo cartão de visita!

domingo, 12 fevereiro, 2006

 
Anonymous de sua quese melhor amiga said...

Gostei muito deste texto que o Fê, fez sobre você, só ele pra te descrever com tantas cores. Beijos.

segunda-feira, 20 fevereiro, 2006

 

Postar um comentário

<< Home